Ontem completei um mês morando e trabalhando aqui em Kraków, na Polônia.

No meu último post, no Linkedin, eu abordei sobre a imensa quantidade de oportunidades de trabalho, principalmente para TI. O meu post gerou uma atenção que eu não esperava, com mais de 13.000 visualizações, então vou falar um pouco mais sobre como eu vim parar aqui.

 

1) Começando pelo básico: Inglês

Se você não tem inglês fluente, esquece. Não só todo o processo de seleção é feito em inglês, como existem várias funcionalidades no Linkedin que ficam escondidas se você usar outra língua como padrão. Acostume-se a usar tudo em inglês.

Esse era o meu caso, poucos meses antes de conseguir um emprego aqui. Eu fui do intermediário/ avançado ao fluente (conversação) em cerca de quatro meses, no máximo. Como eu fiz isso? Contratando um professor de inglês e fazendo aula todos os dias. Sol ou chuva, feliz ou triste, cansado ou disposto, você precisa focar e meter as caras nos livros, vídeos, ler muito, ouvir MUITO.

Não tenho como indicar mais o cara que me ajudou nessa jornada: Cláudio Habibe, que foi muito mais que um professor. Ele é um parceiro, coach, amigo, mestre. Então corra e tente agendar um horário com ele:

www.the-english-teacher.com

Nessa página estão todos os seus contatos e todas as informações sobre preços e horários.

2) Networking

Grande parte das vagas disponíveis no mercado são preenchidas através dos contatos e indicações, antes mesmo de chegar ao mercado. No Linkedin não é diferente: headhunters e pessoas de RH publicam as suas vagas aqui mesmo, como uma publicação para seus amigos e se você estiver fora dessa rede, vai se dar mal.

O LinkedIn oferece (inclusive no app mobile) um extenso filtro, para que você ache quem são as pessoas de RH na sua região, ou na região que você pretende conseguir. Procure por palavras mágicas: “RH”, “humanos”, “talentos”, “headhunter”, etc e dedique um bom tempo adicionando as pessoas que você achar relevante. Não tenha vergonha. Aliás, jamais tenha vergonha, neste caso. É o seu futuro profissional em jogo e só você tem as rédeas dele.

Ponto importante: bom senso é tudo nessa vida. Seja sempre cordial se for questionado.

 

3) Seja melhor do que você é atualmente

Não vou mentir aqui: eu literalmente saí chorando após desligar o telefone, na minha primeira entrevista para a Polônia. Foi horrível e eu queria deitar na cama e não acordar nunca mais. O motivo? Eu não era bom o suficiente.

Avalie se as suas habilidades são suficientes para ser avaliado por uma pessoa com experiência e cultura totalmente diferentes. É possível que você tenha que investir dinheiro em cursos e certificações para melhorar o seu nível técnico e para adquirir novos conhecimentos, que vão fazer o seu cv se destacar.

4) Pesquise sobre a Polônia

Não existe desculpas para não conhecer profundamente o lugar para o qual você está aplicando. E essa foi uma das minhas cartas na manga: meu chefe atual me disse claramente que eu me destaquei por conhecer bem o país.

Dedique tempo para estudar e conhecer a cultura local, geografia, história, enfim, o mínimo que você deveria conhecer para mudar de país.

Existem diversos grupos de facebook, whatsapp e artigos, mas posso destacar alguns:

Dicas para Brasileiros na Polônia

Grupo Brasileiros na Polônia – Facebook

 

5) Pesquise Salários

Sem muito a dizer aqui: Glassdoor

 

6) Pesquise Vagas

A Polônia está transbordando de vagas de TI. Posso dizer com facilidade que surgem mais vagas por dia do que eu consigo acompanhar

Sites de vagas para a Polônia:

Primeiro as vagas disponíveis na minha empresa. Essas são as que posso ajudar mais:

https://career.luxoft.com/job-opportunities/

Se você achar alguma vaga interessante, não se inscreve. Vem falar comigo e eu te indico na ferramenta interna.  Se você se inscrever, o sistema me bloqueia eu não vou conseguir te ajudar!

 

Outros:

www.careersinpoland.com

www.sii.pl/en/job-ads

https://www.hrk.pl/pl/jobs

https://www.pracuj.pl/ (essa tem que usar o google translate)

Ainda podem olhar Volvo, EPAM, Accenture polonia e Capgemini polonia, mas a maioria dessas vagas eles postam no Linkedin. Luxoft e SII são as que mais trazem gente pra cá, até onde eu sei.

 

7) Morando na Polônia

Existem muitos anúncios de apartamentos em sites como Otodom. A maioria anunciados por agências, que cobram para ajudar a conseguir o apartamento. Não é raro também alugar direto com o proprietário e existem diversos grupos no Facebook apenas para este objetivo.

A minha estratégia foi a seguinte: aluguei um airbnb, direto do Brasil, por um mês e aqui comecei a procurar por apartamentos. Deu muito certo e dei sorte de conhecer uma agente que fala português. A comunicação foi maravilhosa, sem ruídos, e consegui alugar um apartamento maravilhoso, pertinho do trabalho.

Pra quem estiver interessado em alugar em Kraków e não quer dor de cabeça, recomendo fortemente:

Izabela Myśliwiec

+48 799 936 689

[email protected]

 

8) FAQ

– Como é aí?

Ótimo. O transporte público funciona, o custo de vida em geral é mais baixo, as pessoas são lindas, se vestem bem, os apartamentos são bonitos e funcionais (embora caros) e o sistema público de saúde não parece ser um problema. Os carros param na rua, quando você vai atravessar e a violência é ridícula, comparando com o Brasil.

Ponto fraco: poluição do ar. No inverno a Polônia se destaca negativamente nesse aspecto.

– Como é o clima na Polônia?

Se você leu o texto já deveria saber. Em resumo: frio, mas não é a Sibéria. Todos os lugares têm aquecimento e os bons casacos seguram o frio, sem dificuldade.

Pra quem não gosta de frio, pode ser bem difícil.

– Tem vaga para a área XYZ?

Não sei, tem que pesquisar.

– Paga bem?

Depende da sua área. De novo: tem que pesquisar. Quem é de desenvolvimento não tem do que reclamar.

– Me bota nesse esquema aí?

Não tem milagre. Se você se qualifica para alguma das vagas anunciadas, tem inglês fluente, tem passaporte válido e está disposto a mudar de país , me avisa e se eu puder ajudar, certamente o farei.

– Como funciona o processo?

A partir do momento que você foi selecionado, a empresa vai solicitar o Work Permit para você. Até ele ser emitido (em torno de 2 meses), não há muito o que você possa fazer. Após a emissão, a empresa vai te enviar por correio e com ele em mãos (e mais vários outros documentos, que você precisa checar no site do consulado), você vai solicitar um agendamento de horário para receber (ou não) o visto de trabalho, em Curitiba ou Brasília, dependendo da sua localização.

A equipe do consulado polonês é conhecida por ser muito cordial, eficiente e ter ótimo coração. Não é raro ler o depoimento de alguém falando que eles ajudaram muito com  prazo.

Depois de pegar o visto, é hora de viajar.

– Minha esposa pode trabalhar na Polônia?

Não. Apenas se ela também tiver um work permit válido ou se você aplicar para o blue card, em território polonês.

Tags:
  • Daniel Dante

    Vinícius, parabéns pelo post e dedicação a dar uma “luz” a quem não tem a menor idéia de por onde começar! Sucesso!

    Reply

Leave a Reply